Turista dos EUA se recusa a ser atendido por negros no RJ

Por GILBERTO PORCIDONIO.

Turista é acusado de racismo depois de ofender funcionários negros em museu no Rio. Mesmo na delegacia, americano Antony Barrow continuou com falas preconceituosas contra policiais.

LEIA TAMBÉM: Homem negro rebate comentário racista de mulher em fila no aeroporto na Virginia e arranca aplausos

LEIA TAMBÉM: Neonazista remove tatuagens de suástica e abandona grupo Skinhead após improvável amizade

LEIA TAMBÉM: Nos Estados Unidos, existe preconceito com brasileiros?

Elian Almeida e Sanny Gomes: turista americano se negou a ser atendido pelos dois no Museu de Arte do Rio. (Foto-Domingos Peixoto / Agência O Globo)

Um caso de racismo cometido por um estrangeiro revoltou funcionários do Museu de Arte do Rio, na Praça Mauá, Zona Portuária do Rio. De acordo com relatos de testemunhas e de uma das vítimas, o turista procurou a recepção por volta das 10h desta quarta-feira, querendo informações. Contudo, ao ser recebido por funcionários negros, se negou a conversar.

— Em inglês, eu perguntei se precisava de ajuda. Ele movimentou o corpo, ignorando a minha presença. Virou de costas para mim e falou: “Não quero negros” — contou o estudante Elian Almeida, de 24 anos, que trabalha como educador no museu e foi uma das vítimas. — Eu fiquei chocado, perguntei novamente, e ele repetiu: “Não, negros”. Então eu disse que ia chamar a polícia e ele saiu do museu.

Almeida correu até uma base da Guarda Municipal, que fica em frente ao museu, que recomendou ao jovem procurar uma equipe de policiais do Centro Presente, também baseada na região. Feito isso, o jovem retornou ao museu acompanhado de um policial, e conseguiu localizar o estrangeiro nos arredores. Os envolvidos foram encaminhados para a 4ª DP, onde o caso foi registrado. De lá, o estrangeiro pfoi para a 5ª DP (Centro).

Rafael Martins, que trabalha na monitoria do museu e testemunhou o crime, contou que antes de se negar a conversar com Almeida, o turista já havia se negado a ser atendido por uma outra funcionária, Sanny Gomes, de 21 anos, que faz a monitoria das artes externas do MAR.

— A minha reação foi de indignação total, mas não consegui fazer nada. O Elian correu para chamar a autoridade mais próxima, e a reação da Sanny foi chorar — relatou Martins, sobre o episódio.

A funcionária, que trabalha há apenas um mês no museu, está em seu primeiro emprego e nunca imaginou que poderia passar por uma situação como esta.

— Hoje, no século XXI, passar por isso é algo que me machuca mas que, ao mesmo tempo, me dá força para seguir e ver o que eu tenho que fazer. O meu choro foi de muita raiva, mas me motiva a continuar. A gente não vai parar aqui não — disse Sanny.

Advogada do Museu de Arte do Rio, Amanda Antunes informou que os funcionários agredidos e a direção do MAR devem se reunir ainda hoje para discutir que medidas jurídicas vão tomar sobre o caso.

— O museu apoia a igualdade racial e de gênero, sempre levantamos essa bandeira. Foi um caso atípico mas a gente não quer deixar isso impune e a gente apoia os nossos funcionários. As vítimas devem conversar com a diretoria para que isso realmente não morra aqui.

Antony Barrow foi conduzido para a 4º DP (Centro) . (Foto-Domingos Peixoto / Agência O Globo)

Turista ainda se negou a falar com policiais negros

Mesmo na delegacia, na frente dos policiais, o turista continuou com suas falas racistas. Fábio Lisboa, policial militar há 4 anos, contou que o estrangeiro estava sem documentos e continuou dizendo que não queria ser abordado por pessoas negras.

— Quando a gente foi levá-lo para a cela, um colega que é pardo, com a pele mais clara, fez a revista. Quando fui falar com ele, ele repetiu: “no black people” — disse o policial. — Eu nunca passei por uma situação como essa.

‘Racistas não passarão’, diz museu

Por estar sem documento, o turista foi identificado apenas como Antony Barrow, natural dos Estados Unidos, e aparenta ter cerca de 35 anos. Ele estaria hospedado no Hotel Barão de Tefé, localizado em frente às ruínas do Cais do Valongo, na Gamboa, que já foi o principal porto de entrada de africanos escravizados nas Américas e um dos pontos do Circuito Histórico da Celebração da Herança Africana na Zona Portuária.

O consulado americano já foi informado sobre o caso e Anthony pode ser enquadrado em injúria racial.

Em nota, o MAR descreveu a dinâmica do crime e disse que outras medidas legais estão sendo estudadas pelo departamento jurídico do Instituto Odeon, responsável pela administração do local. Por fim, o comunicado reitera o repúdio à atitude do turista e diz: “Racistas não passarão.”

Ao sair da delegacia, o turista americano se negou a falar sobre o caso.

VIDA EUA: Como morar barato nos Estados Unidos

VIDA EUA: Os 10 maiores obstáculos para brasileiros que mudam para os Estados Unidos

os mais lidos268 times!

COMPARTILHAR