Super-Homem defende imigrantes de supremacista branco em HQ.

Na história, um americano branco veste uma bandana com as cores da bandeira dos EUA e porta uma arma, e abre fogo contra um grupo de imigrantes.



Super-Homem: o Super-Homem entra na frente dos imigrantes e desvia os projéteis (DC Comics/Reprodução/Reprodução)

Nova história em quadrinhos da DC Comics traz o Super-Homem defendendo imigrantes sem documentos de um supremacista branco. Publicação foi lançada uma semana após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cancelar o programa que protegia imigrantes que chegaram ao país quando ainda eram crianças.

Na história, um norte-americano branco veste uma bandana com as cores da bandeira dos EUA e porta uma arma. Ele abre fogo contra um grupo de imigrantes, mas o Super-Homem entra na frente e desvia os projéteis.

“Pare com isso!”, ordena o super-herói. “Por quê? Eles me arruinaram!”, indaga o homem. O Super-Homem pega o rapaz pelo colarinho, destrói sua arma e diz: “A única pessoa responsável pela tristeza em sua alma é você!”

LEIA TAMBÉM: Filme com Willem Dafoe retrata a vida de crianças pobres em Orlando
LEIA TAMBÉM: Telão 3D Robótico da Coca-Cola cria experiência única em Nova York
LEIA TAMBÉM: Cristo Redentor americano recebe mais de um milhão de visitantes por ano



Agentes da polícia chegam ao local e levam o homem embora.

A história foi publicada uma semana após Trump encerrar, no último dia 5, o programa Ação Diferida para os Chegados na Infância (Daca, sigla em inglês), instituído pelo ex-presidente Barack Obama para proteger da deportação e conceder licenças de trabalho a 800 mil jovens sem documentos que chegaram ainda crianças ao país e são conhecidos como “dreamers”.

Além disso, no último mês de agosto, os Estados Unidos foram estremecidos por protestos de grupos supremacistas brancos. Donald Trump sofreu duras críticas por, supostamente, apoiar tais grupos.

Em 1950 a capa de HQ, o Homem de Aço conversa com um pequeno grupo de meninos, na sua maioria brancos: “lembrem-se meninos e meninas, sua escola – assim como nosso país – é composta de americanos de muitas raças diferentes, religiões e origens..”

Por ESTADÃO


VIDA EUA: Nos Estados Unidos, existe preconceito com brasileiros?
VIDA EUA: 3 coisas que se aprende em 5 anos nos Estados Unidos

os mais lidos1623 times!

COMPARTILHAR