Mexicana mata os quatro filhos e o marido e depois sorri na corte da Geórgia

Uma mulher mexicana foi acusada nesta quinta-feira (6), de esfaquear e assassinar quatro de seus filhos, além do marido, em um subúrbio do norte de Atlanta, na Geórgia, de acordo com autoridades locais.




Isabel Martínez enfrenta cinco acusações de assassinato, seis de agressão grave e outro por tentativa de homicídio de outra criança, disse a polícia do Condado de Gwinnett.

Segundo o relatório oficial, um dos cinco filhos, uma menina chamada Diana Romero, sobreviveu ao ataque, mas ainda está internada em estado crítico e acredita-se que ela permaneça no hospital pelas próximas duas semanas.

LEIA TAMBÉM: Homem mantém esposa morta em congelador por 8 anos para receber pensão

As autoridades informaram que o pai era Martín Romero, de 33 anos, e que as quatro crianças mortas eram: Axel, de 2 anos; Dillan, de 4; Dacota, de 7; e Isabel, de 10 anos.
“A suspeita que temos em custódia é a mãe/esposa das vítimas”, disse Michele Pihera, porta-voz do Departamento de Polícia do Condado de Gwinnett.





O brutal ataque aconteceu na residência da família, em Loganville. A mãe teria permanecido na casa ao lado dos cadáveres por pelo menos 24 horas, antes de notificar a polícia, pouco antes das 5h (hora local) de quinta-feira, de acordo com declarações dos vizinhos, para a emissora local “WSB-TV”.

O irmão do pai das crianças afirmou que no dia anterior havia conversado com Martín e que não percebeu nada de anormal.
A família tinha mudado de Illinois para a Geórgia há cerca de um mês e, de acordo com os vizinhos, a mãe estava deprimida por conta da morte recente de seu pai.

LEIA TAMBÉM: Após atirar no próprio pênis, homem pode ser preso em Jacksonville

LEIA TAMBÉM: Tiroteio deixa 25 feridos em boate no Arkansas

Segundo alguns relatos, Isabel não estava bem por não ter conseguido viajar para o México onde ocorreu o funeral de seu pai.
O crime macabro deixou a comunidade consternada, apesar de pouco tempo de convivência com a família.

“Todos estamos em choque. Nas últimas semanas, tivemos a oportunidade de conhecer essas crianças muito bem”, disse Jim Hollandsworth, que dirige um programa de assistência escolar, ao jornal “Atlanta Journal Constitution”.

Mesmo acusada de assassinar cinco pessoas no dia anterior, Isabel sorri e faz um sinal positivo com os polegares para cima ao virar-se para as câmeras, demonstrando não estar angustiada por estar lá.




VIDA EUA: Nos Estados Unidos, existe preconceito com brasileiros?

VIDA EUA: 3 coisas que se aprende em 5 anos nos Estados Unidos

os mais lidos461 times!

COMPARTILHAR