Megaoperação contra imigrantes em situação irregular nos EUA está prevista para hoje

Presidente Donald Trump afirmou que a polícia migratória começaria, na próxima semana, a expulsar milhões de imigrantes ilegais. Ação pode começar no domingo, segundo jornais norte-americanos.

LEIA TAMBÉM: Trump diz que vai acabar com a cidadania automática para crianças nascidas nos EUA

LEIA TAMBÉM: EUA estudam aumentar para US$ 1 milhão o valor para concessão do visto EB-5

LEIA TAMBÉM: O Visto EB-1 está em alta, pouco investimento, feito para pessoas de destaque profissional

Bandeiras americanas em um muro privado na fronteira entre Estados Unidos e México em Ciudad Juárez. (Foto: Jose Luis Gonzalez/Reuters)

Os Estados Unidos preparam a detenção de 2 mil imigrantes sem documentos que chegaram com suas famílias ao país. A operação vai começar nesse domingo (23), informaram vários meios de comunicação locais.

O presidente Donald Trump prometeu na segunda-feira que, na semana que vem, a polícia migratória começaria a expulsar “milhões” de imigrantes ilegais estabelecidos nos Estados Unidos, sem dar mais detalhes.

O tuíte acelerou os preparativos iniciados há semanas e, segundo fontes anônimas citadas por “Washington Post”, NBC e CNN, as detenções poderiam começar ao amanhecer de domingo em uma dezena das principais cidades do país, incluindo Houston, Chicago, Nova York e Miami.

Donald Trump conversa com repórteres na Casa Branca após ameaças de ataque ao Irã. (Foto: Carlos Barria/Reuters)

Os imigrantes que não se apresentaram a audiências judiciais ou que receberam notificações de expulsão poderão ser detidos em casa ou local de trabalho.
No entanto, o secretário interino de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Kevin McAleenan, duvida sobre certos aspectos da operação, disse a imprensa norte-americana. Ele destacou particularmente o risco de se separar as famílias, por exemplo, se as crianças estão em situação legal mas seus pais não.

Trump e a imigração

Donald Trump transformou a luta contra a imigração clandestina em uma das metas de sua presidência. No primeiro semestre de 2017, o governo declarou política de “tolerância zero” na fronteira com o México, o que levou à separação de centenas de famílias.

As tragédias vividas por estas famílias geraram críticas inclusive entre republicanos, e o presidente ordenou em junho de 2017 o fim dessa política.

Desde então, os fluxos migratórios aumentaram constantemente, com um número crescente de famílias e menores provenientes principalmente de Honduras, Guatemala e El Salvador.

Crianças imigrantes, muitas das quais separadas de seus pais sob a política de ‘tolerância zero’ são abrigadas em tendas instaladas em Tornillo, no Texas, perto da fronteira com o México. (Foto: Mike Blake/Reuters)

Em maio, mais de 144 mil imigrantes foram presos ou devolvidos à fronteira sul, contra uma média de 20 mil nos primeiros meses da presidência de Trump.

Expulsando famílias inteiras, o magnata republicano quer enviar uma mensagem dissuasiva à América Central.

Porém, o anúncio de “milhões” de deportações, na véspera do lançamento de sua campanha de reeleição para 2020, foi percebido como um objetivo impossível de alcançar.
As expulsões atingiram um máximo de cerca de 400 mil por ano no início da década de 2010, e estiveram em torno de 250 mil por ano após a eleição de Donald Trump.

Migrantes que andam em caravana para os EUA chegam a Tecun Uman, na Guatemala, para atravessar a fronteira com o Mexico. (Foto: Moises Castillo/AP Photo)

VIDA EUA: Você sabe o que é uma Soccer Mom?

VIDA EUA: As maiores diferenças do futebol infantil nos Estados Unidos e no Brasil


os mais lidos490 times!

COMPARTILHAR