Eduardo Albuquerque, que fez sucesso como o Alvinho de “Felicidade” (1991), fala da vida e do trabalho como roteirista nos EUA

Por RAFAELA SANTOS.

Morando nos Estados Unidos, Eduardo Albuquerque, o Alvinho de ‘Felicidade’, fala da carreira de roteirista.

LEIA TAMBÉM: Por que Mayra Cardi decidiu não ter seu filho nos EUA ?

LEIA TAMBÉM: Fernanda Lima diz que nunca lavou tanta louça como agora nos EUA

LEIA TAMBÉM: Carla Perez consegue Green Card e conta por que decidiu mudar para os EUA

Eduardo Albuquerque com Tatyane Goulart em ‘Felicidade’ e com a mulher, Luisa Acosta em seu casamento. (TV Globo e Instagram/Reprodução)

Eduardo escreveu o curta-metragem “Freedom”, que acaba de ser rodado num deserto próximo a Los Angeles. O projeto é estrelado por Giselle Itié e tem direção de Yuri Sardenberg e Ana Monteiro. A história é uma crítica à política linha-dura de imigração do presidente americano Donald Trump.

– A Giselle, que nasceu no México, interpreta uma mulher que sonha com uma vida melhor para seu filho. É uma situação horrível a que estamos vivendo. Eu moro aqui legalmente e até por isso pensei que tinha obrigação de fazer algo. Sentia que era um assunto do qual precisava falar – diz ele sobre o projeto, que está na fase de finalização e será lançado em festivais.

A mudança de Eduardo – que antes usava Caldas como sobrenome artístico – para os Estados Unidos aconteceu em 2016, depois que ele visitou o país para uma pesquisa para o filme “Orlando-Flórida”. Além disso, parte da família de sua mulher, Luisa Acosta Gomes, morava em Miami:

– Gostamos daqui e fomos conhecendo a cidade. Tive ainda a oportunidade de emprego em uma produtora e consegui um visto de trabalho.

“To muito feliz; minha primeira “award ceremony” logo em Los Angeles, com direito a gala, red carpet e tudo”, comemorou ele numa rede social. (Fonte/ Extra)

Além dos roteiros para o mercado audiovisual, Eduardo finaliza seu primeiro livro de ficção, ainda sem título definido, que é uma sátira sobre a política do Brasil. Dedicado totalmente à escrita, ele não pensa mais em retomar a carreira de ator.

– Eu parei na adolescência e então fui perdendo o interesse. Depois, fiz faculdade de Cinema e cheguei à conclusão de que gostava mesmo era de escrever – diz ele, que eventualmente ainda é reconhecido por seu trabalho na televisão. – Já aconteceu de o amigo de um amigo comentar que me conhece. Sou um cara pacato e a minha mulher, por exemplo, tem mais seguidores do que eu no Instagram. Mas, às vezes, uma pessoa me encontra nas redes sociais e manda mensagem.

VIDA EUA: Como morar barato nos Estados Unidos

VIDA EUA: Os 10 maiores obstáculos para brasileiros que mudam para os Estados Unidos

os mais lidos92 times!

COMPARTILHAR