Cresce o uso de celulares em escolas dos EUA

Por AP.

Os telefones celulares ainda não são permitidos da maioria das escolas dos EUA, mas novos dados mostram que eles estão ganhando aceitação, à medida que os administradores se curvam diante dos desejos dos pais de ficar de olho nos filhos, e os professores encontram maneiras de usá-los em lições.

LEIA TAMBÉM: Como o iPhone impulsiona o déficit comercial dos Estados Unidos

LEIA TAMBÉM: Aplicativo promete diminuir tempo na fila do aeroporto de Orlando

LEIA TAMBÉM: Apple testa sistema de carro autônomo na Califórnia

Aluno da Jeffersonville High School conversa com amigo durante um intervalo de aulas | AP

A porcentagem de escolas públicas do ensino fundamental que proíbe o uso de celulares caiu de 90% em 2010 para 66% em 2016, segundo os dados de uma pesquisa do National Center for Education Statistics. Entre as escolas de ensino médio, o percentual de escolas que vetam o aparelho caiu de 80% para 35%.

O maior sistema escolar do país, a cidade de Nova York, está entre aqueles que abandonaram as proibições rigorosas. O prefeito Bill de Blasio cumpriu uma promessa de campanha quando suspendeu a proibição em 2015, dizendo que ajudaria os pais a manter contato com seus filhos.

A mudança não surpreende Liz Kolb, professora de tecnologia educacional na Universidade de Michigan, que estuda o efeito de telefones celulares nas escolas desde 2004. Naquele tempo, ela lembra, era quase totalmente proibido levar um telefone para o colégio. Isso começou a mudar à medida que mais estudantes, mesmo com 10 anos de idade, usavam os dispositivos.

“Temos visto como as escolas dizem: não vou resistir a essa onda de pais que me chamam de chata porque seus filhos não podem levar seus celulares para as aulas”, afirma Kolb.

LEIA TAMBÉM: As carreiras mais bem pagas nos EUA, segundo o LinkedIn

Ao mesmo tempo, os professores aproveitam a tecnologia desta era, em que muitas escolas oferecem aos alunos laptops e tablets para que possam usar todos os programas e aplicativos educacionais disponíveis atualmente.

“Muitos professores perceberam que ter um celular é como ter um computador no bolso, então, para eles, é como ter outra ferramenta de aprendizado que beneficie as crianças e não custa mais dinheiro para a escola”, concluiu Kolb. “Por exemplo, há alunos que usam um aplicativo de dicionário para as aulas de gramática, ou que usam o Google Tradutor para aprender outro idioma. Existem outros aplicativos como o Kahoot! que pode ser conectado a uma lousa eletrônica e permite que os alunos participem da aula interativamente”.

VIDA EUA: Como viajar dentro dos Estados Unidos

VIDA EUA: Os 10 maiores obstáculos para brasileiros que mudam para os Estados Unidos

 

os mais lidos170 times!

COMPARTILHAR