Brasileiro morto em Nova York era ‘amado por todos’, diz amiga

Por EXTRA.

João Souza, o estudante brasileiro assassinado em seu dormitório na Universidade de Binghamton, no estado de Nova York, nos Estados Unidos, era “amado por todos”, segundo Danielle Goz, uma amiga de escola.

LEIA TAMBÉM: Queda de passarela em Miami tem ao menos 6 mortes confirmadas

LEIA TAMBÉM: Polícia de Oklahoma mata homem surdo que não obedeceu às ordens de parar

LEIA TAMBÉM: Motorista sobrevive após peça gigante cair sobre o seu carro em Orlando-FL

João Souza, com a camisa do Flamengo, ao lado dos amigos Danielle Goz e Sammy Landino, de cozinheiro. (Foto: Reprodução/Facebook)

Eles estudaram juntos durante o ensino médio: “ninguém tinha nada para falar mal dele”, afirmou a jovem a um jornal local.

João foi atacado na noite do último domingo em seu quarto na universidade. Ele foi esfaqueado por um colega, que fugiu após o crime. A polícia local prendeu o suspeito Michael Roque, que negou as acusações.

Danielle Goz e João se tornaram próximos no final do ensino médio e chegaram a formar um par na formatura da escola, informou a americana ao jornal “Journal News”, um diário da região do Baixo Hudson e afiliado à rede “USA Today”.

— Ele era a pessoa mais querida e tinha a família mais querida — disse Danielle na entrevista.

João era filho de um diretor do Banco do Brasil. Segundo a amiga, ele se manteve nos Estados Unidos mesmo após sua família voltar ao Brasil e tinha planos de continuar no país após a universidade.

— Ele queria ser como um jovem americano e ir para uma faculdade aqui. Ele sempre me disse que queria viver nos Estados Unidos — contou a estudante ao “Journal News”.

Suspeito de matar o brasileiro a facadas nos Estados Unidos. (Foto-Divulgação)

ADAPTAÇÃO RÁPIDA

De acordo com Goz, o brasileiro se adaptou rápido ao novo país, aprendeu inglês com facilidade e se tornou a estrela do time de futebol de sua escola, a Blind Brook High School.

— Sempre foi um cara do futebol e marcava diversos gols que nos traziam vitórias importantes — contou Danielle, destacando que João chegou a entrar no time ainda na oitava série.

Para ela, os dois tinham uma amizade “para a vida toda”:

— É importante lembrar dele, para compartilhar com todos a pessoa e amigo incrível que ele foi.

Um amigo brasileiro do rapaz, que preferiu não se identificar, ecoou as opiniões de Goz. Para ele, o mais importante no momento são “os votos de luto e de paz”:

— João era um ótimo amigo, e sua falta será sentida.

O suspeito de ter matado o brasileiro João Souza, Michael Roque – (Divulgação-BROOME COUNTY SHERIFF)

Julio Roque, irmão mais velho de Michael Roque, suspeito de ter assassinado o brasileiro João Souza, em seu dormitório na Universidade de Binghamton, em Nova York, diz “não acreditar que ele poderia fazer algo assim”.

— Ele é o mais simpático da família, o que faz todo mundo feliz. Todo mundo da turma dele tem me ligado e perguntado: ‘por favor, me diga que ele não fez isso’ — disse Julio ao site americano Newsday.

Michael, que tem 20 anos, foi detido pela polícia local e levado para a cadeia local do condado de Broome, na noite de segunda-feira. Ele declarou não ser culpado e deve responder por homicídio em segundo grau. Também estudante da Universidade de Binghamton, Michael Roque era natural de Massapequa, no Condado de Nassau, em Nova York. Seus pais foram para Binghamton assim que souberam da prisão.

VIDA EUA: Nos Estados Unidos, existe preconceito com brasileiros?

VIDA EUA: 3 coisas que se aprende em 5 anos nos Estados Unidos

os mais lidos386 times!

COMPARTILHAR