Brasileiras ganham bolsa integral para estudar e jogar futebol nos EUA

Ana Paula Silva Santos e Thayla Ventura Grigório, de 19 anos, participaram de um programa do Consulado Americano.

Ana Paula (à esquerda) e Thayla batem bola sob os olhares atentos dos meninos (Foto: Marcelo Brandt/ G1)

Com o inglês afiado e habilidade no futebol, duas ex-alunas da rede pública deixam a Zona Leste de São Paulo para fazer faculdade nos Estados Unidos no início de agosto. Elas ganharam uma bolsa-atleta das universidades William Carey University, no Mississipi, e Trinidad State Junior College, no Colorado, que inclui as despesas de mensalidade, hospedagem, transporte e alimentação. Em contrapartida, terão de tirar boas notas e jogar bola.

LEIA TAMBÉM: Ele tem 16 anos, lança a 94 milhas por hora, vale US$ 1,5 milhão e é do Brasil !!!

LEIA TAMBÉM: Ibrahimovic recusa proposta de 6,8 milhões de euros do LA Galaxy

Ana Paula Silva Santos e Thayla Ventura Grigório, ambas de 19 anos, jogam futebol desde criança, mas nunca imaginaram que o esporte as levaria tão longe. Na infância e na adolescência não muito distante tiveram de vencer o machismo para jogar.
Thayla gostava de bater bola com o irmão e os primos na rua. Ana Paula, desde bem novinha, já participava de times, mas sempre compostos por meninos. Só aos 14 anos integrou a primeira equipe formada apenas por meninas.



“Cansamos de ouvir coisas do tipo: ‘não tem louça para lavar?’, ‘futebol é coisa de moleque’, ou xingamentos como ‘mulher macho'”, conta Thayla. Ana Paula reforça que o preconceito não vem apenas de meninos, mas acontece também de serem julgadas por outras garotas.

A barreira do gênero, no entanto, nunca as impediu de jogar. Foi o talento e o gosto pelo futebol que levaram Thayla e Ana Paula a um projeto chamado Estrelas do Esporte, que alia a prática de esportes, curso de inglês e aulas de liderança exclusivamente para alunos da rede pública. O programa é uma parceria entre Sesc e Consulado Americano.

Ana Paula e Thayla participaram juntas do programa Estrelas do Futebol, jogavam no mesmo time, mas agora irão das universidades diferentes nos EUA (Foto: Marcelo Brandt/ G1)
SONHO

Foi no “Estrelas” que elas se conheceram em 2013, ainda no segundo ano do ensino médio, e passaram a jogar juntas no Sesc Itaquera, além de fazer curso de inglês. Mas a vontade de fazer faculdade do exterior veio quando, durante o programa, viajaram para o estado do Tennessee, nos Estados Unidos, e conheceram algumas universidades.

“Eu tinha um sonho, mas achava que era impossível, que era algo só para ricos. Mas fui para o Tennessee e conheci o time feminino, conhecemos o estádio onde só tinha jogo feminino. Isso me marcou”, diz Thayla.
“As meninas americanas ficaram perplexas quando falamos da nossa realidade, do machismo, das coisas que ouvimos quando entramos em campo. Quando ouvimos o depoimento delas e entendemos o quanto elas são respeitadas, pensamos: é aqui!”, afirma Ana Paula.

LEIA TAMBÉM: Dagoberto acerta com time de São Francisco

Animadas com a possibilidade de conseguir uma bolsa, as meninas chegaram até o EducationUSA, organização americana que apoia alunos brasileiros de baixa renda no processo de candidatura para as universidades americanas, inclusive arcando com os custos da inscrição (o application).

O application de atletas exige o currículo esportivo, vídeo e carta de recomendações de treinadores.

As amigas Thayla e Ana Paula vão estudar e jogar futebol nos EUA em julho (Ricardo Matsukawa/VEJA.com)

Ambas vão fazer graduação em educação física. Thayla quer trabalhar com futebol feminino e retribuir as oportunidades que teve. Ana Paula sonha em entrar para a Liga Nacional dos Estados Unidos. “Mas se eu não conseguir, eu tenho meu diploma, vou poder exercer minha profissão, ajudar pessoas como todos os meus professores já me ajudaram, e vou voltar feliz.”

A única desvantagem é a distância de 1.400 quilômetros entre a faculdade de uma e da outra, e da família, que ficará no Brasil. “Vou sentir falta da comida. Não é nem das coisas exóticas, é que adoro meu arroz e feijão”, ri Ana Paula.

Passo a passo: como ingressar em uma universidade americana por meio do esporte

1º) Praticar alguma modalidade esportiva no Brasil em bom nível – quanto mais habilidade no esporte, maior a chance de sucesso
2º) Fazer o SAT ou o ACT, provas que medem o nível do candidato em várias áreas de conhecimento (similares ao ENEM brasileiro)
3º) Fazer o Toefl, prova que mede o nível de conhecimento na língua inglesa
4º) Apresentar uma carta de recomendação de um professor e uma de um coordenador da escola em que estuda
5º) Escrever (em inglês, claro) uma redação que demonstre sua visão de mundo
6º) Enviar ao treinador da equipe da universidade um vídeo que mostre suas habilidades esportivas. Isso pode ser feito diretamente (os sites das instituições apresentam os endereços de e-mail dos treinadores), por intermédio do Education USA ou de empresas especializadas – que cobram por esse serviço. O treinador é quem aprova ou reprova um candidato a entrar em seu time, e é também ele quem decide se o candidato receberá uma bolsa de estudos, seja parcial ou total

VIDA EUA: Você sabe o que é uma Soccer Mom?

VIDA EUA: As maiores diferenças do futebol infantil nos Estados Unidos e no Brasil

os mais lidos409 times!

COMPARTILHAR