Brasileira relata desespero na fuga dos incêndios de Los Angeles

‘Foi a primeira vez que tivemos de juntar as coisas e ir embora’, disse a brasileira que teve de abandonar sua casa para se proteger da fúria do incêndios que ameaçam a região em que vive. 

Robyn Beck / AFP / Getty Images

Em mais de 30 anos em Los Angeles, a paulista Della Finkeltub diz que nunca havia visto algo como os incêndios que há cinco dias consomem o sul da Califórnia.

“Foi a primeira vez que precisamos juntar as coisas e ir embora. Só (aconteceu algo semelhante) no terremoto de 1994”, disse Della à BBC Brasil.

LEIA TAMBÉM: California coloca presos para combater os incêndios no estado

LEIA TAMBÉM: Idosos casados há 75 anos morrem juntos em casa atingida pelas chamas na Califórnia

LEIA TAMBÉM: Fotos do “antes e depois” dos incêncidos na California

Na quarta-feira, ela e o marido, Eli, decidiram sair de sua casa, localizada entre os bairros de Brentwood e Bel Air, com medo de que o fogo se aproximasse mais e ameaçasse suas vidas.

“Dava pra ver o fogo, a fumaça. Parecia que estava atrás do nosso quintal”, relata. “A polícia passou e disse que estávamos em uma área em que a ordem de evacuação não era obrigatória no momento, mas era indicada.”



“Pegamos algumas roupas e documentos, nosso cachorro e fomos dormir na casa de uma filha”, conta.
Nos últimos dias, cerca de 200 mil pessoas tiveram de deixar suas casas por causa dos incêndios, que já atingem uma área de cerca de 470 quilômetros quadrados.

“Espero que ninguém tenha que passar por uma experiência dessas. Em questão de horas, tua vida pode mudar. É muito assustador, você não sabe se vai poder voltar para casa, não sabe como vai ser”, diz Della.

O incêndio visto do quintal da casa de Della. (Arquivo pessoal)

A advogada gaúcha Natalia Aranovich também deixou sua casa, no bairro de Brentwood, na noite de quarta-feira. Já na terça-feira ela diz que sentiu cheiro de queimado e fumaça no ar.

“Saí para correr de manhã e vi uma fumaceira, mas não me dei conta. Quando estava correndo, sentia o pó no meu rosto. Voltei para casa, peguei um algodão e saiu um monte de cinza do meu rosto”, conta.

Natalia diz que no início não achou que a situação fosse tão grave, mas depois que recebeu um alerta das autoridades no celular sobre a força dos ventos decidiu sair de casa por segurança.

“Não sou uma pessoa medrosa. Tem terremoto aqui, com isso já acostumei. Meu prédio já incendiou. Esta foi a primeira vez em que pensei: ‘vou sair, porque a coisa está feia'”, relata.

“Coloquei roupas, documentos e o computador numa malinha. Nessas horas tu percebes que não precisa de muito, deixa para trás bens materiais.”

Wildfire in Burbank.

A post shared by Emeric’s Timelapse (@emerictimelapse) on

 

Na noite de quinta-feira, os Finkeltub e Natália puderam voltar para casa. O prefeito de Los Angeles, Eric Garcetti, afirmou que a situação na área já estava mais controlada.

Outras partes da região, porém, como os condados de Ventura e San Diego, ainda permanecem em estado de emergência.

O fogo já destruiu mais de 430 prédios e deixou três bombeiros feridos. Escolas e estradas foram fechadas. Uma mulher foi encontrada morta em uma área atingida em Ventura.

Segundo as autoridades, 5,7 mil bombeiros estão trabalhando para controlar os vários focos de incêndio, que são agravados pelos fortes ventos e baixa umidade.

O Consulado-Geral do Brasil em Los Angeles afirma que não há confirmação de brasileiros feridos até o momento.

Por BBC Brasil


VIDA EUA: Nos Estados Unidos, existe preconceito com brasileiros?

VIDA EUA: 3 coisas que se aprende em 5 anos nos Estados Unidos

os mais lidos438 times!

COMPARTILHAR