A revolta contra as gorjetas nos Estados Unidos

Por ElPaìs.

Washington DC e outros sete Estados do país já eliminaram a prática em bares e restaurantes, porque ela precariza os salários.

LEIA TAMBÉM: Financiamentos afundam os estudantes nos EUA: dívidas superam 1,5 trilhão de dólares

LEIA TAMBÉM: Brasileiro se integra aos EUA melhor que outros imigrantes, diz estudo

LEIA TAMBÉM: Mudança de comportamento nos jovens afeta mercado imobiliário

As meninas do Hooters são obrigadas a assinar um “contrato” no qual aceitam insinuações sexuais como parte de seu trabalho. (Foto-Reuters)

As ruas de Washington foram neste mês cobertas de cartazes com o lema: “Vote NÃO à Iniciativa 77. Preserve nossas gorjetas”. Era um apelo contra uma medida que alteraria todo o sistema salarial no setor de serviços. Mas não deu certo. A Iniciativa 77 foi aprovada. O Distrito de Columbia, onde fica a capital norte-americana, soma-se assim a sete Estados do país – Califórnia, Oregon, Washington, Alasca, Nevada, Montana e Minnesota – que já eliminaram essa prática, por considerar que ela precariza os salários.

Até agora, um garçom em Washington recebia um salário mínimo de 3,33 dólares por hora, mais gorjetas, que nos EUA costumam ser de 15% a 20% do valor da conta. O dono do estabelecimento era obrigado por lei a pagar os funcionários um valor pelo menos equivalente ao salário mínimo padrão (12,50 dólares por hora), mesmo que esse piso não seja alcançado com as gorjetas. Mas o fato é que muitos não cumpriam: um em cada quatro trabalhadores da área ganha menos de 12 dólares por hora. Com a reforma, aprovada na semana passada, o salário-base se igualará gradualmente ao universal, como nos outros sete Estados dos EUA que se rebelaram contra o sistema.

A capital aprovou a iniciativa com o aval de 55% dos cidadãos que votaram, um total de 85.000 (17% do eleitorado do distrito). As gorjetas elevadas compõem a parte principal do salário de um garçom nos Estados Unidos. Não há uma lei que obrigue o cliente a deixar 20%, mas é um pacto tácito que agora está sendo questionado no país. O Sindicato Nacional de Restaurantes (que vela pelos direitos dos trabalhadores da hotelaria), grande promotor da Iniciativa 77, rejeita o sistema por três razões principais: há empresas que não compensam seus trabalhadores, existe discriminação contra os empregados afro-americanos (recebem até 25% menos de gorjeta que os brancos), e as mulheres ficam mais expostas a sofrerem assédio sexual (uma em cada sete denúncias de assédio vem do setor de hotelaria e restauração).

Mesas ao ar livre num movimentado restaurante da avenida 14, em Washington. A.L.

Apesar dos senões, os gerentes e empresários fizeram uma campanha do medo para que a iniciativa não prosperasse. Os argumentos eram que, se fosse aprovada, os preços dos cardápios subiriam, e estabelecimentos pequenos seriam obrigados a fechar. O que eles não alardearam é que o novo sistema os obrigaria a pagar mais impostos e oferecer plano de saúde aos funcionários.

De qualquer maneira, não se trata de um debate fechado, contrapondo claramente garçons e gerentes. Mesmo entre os carregadores de bandeja há discordâncias. Jason Hillegas, de 34 anos, trabalha há 12 servindo mesas e sente aversão à Iniciativa 77. Diz ser algo que os garçons não pediram: “Eles acham que sabem melhor do que eu o que me convém. Este trabalho não pode ser feito por qualquer um, e agora se simplifica”. Já Amy, garçonete de 28 anos, comemora sua aprovação: “Tenho dois empregos, trabalho 65 horas semanais, e não tenho nenhuma garantia. Esta medida me dá um pouco de estabilidade”. Hillegas ganha em média 20 dólares por hora, dinheiro vivo que leva diariamente para casa e que, somado, supera os 3.000 dólares por mês. Reconhece a situação irregular que ocorre em alguns restaurantes nos quais o gerente não complementa o salário dos que não conseguem o mínimo, mas queixa-se de que “todos seremos afetados pelo que alguns fazem”, lamenta. Amy, que trabalha em um restaurante mexicano na movimentada avenida 14, calcula ter uma renda de 2.000 dólares por mês. Seu chefe é um dos que não cumprem o complemento: “O que ele faz é passar o resultado de um bom dia para um dia ruim, e no final da semana me paga, mas o sistema deveria ser diário”, afirma.

Ganharão ou perderão dinheiro sem as gorjetas? Em San Francisco e Seattle, desde que o salário mínimo foi equiparado o emprego no setor cresceu, e os garçons ganham 20% mais que antes. Mas seus setores de restauração e hotelaria são poderosos. Por outro lado, resta uma brecha em Washington: apesar de os cidadãos terem votado, tanto a prefeita da capital, a democrata Muriel Bowser, como 10 dos 13 vereadores se opuseram publicamente à medida, e podem anular a iniciativa popular. Mas fazer isso seria entrar num território perigoso, que, em ano eleitoral, pode ser mortal.

VIDA EUA: Você sabe o que é uma Soccer Mom?

VIDA EUA: As maiores diferenças do futebol infantil nos Estados Unidos e no Brasil

os mais lidos356 times!

COMPARTILHAR